Com um novo produto, o Circuit, lançado no final de outubro, a empresa pretende agregar mais valor para os clientes, as grandes corporações. Segundo o CEO, Reinaldo Opice, a escolha pelos canais é permitir maior integração com os sistemas do cliente e atuar em diferentes verticais.

 

Tele.Síntese – Quais são as novidades da empresa?

Reinaldo Opice -Começamos novo ano fiscal em outubro e com muitas novidades para a Unify. O lançamento do Circuit, no final de outubro, muda a forma como agregamos valor para os nossos clientes. O Circuit traz voz, vídeo, compartilhamento de telas e de arquivos, e serviços de mensagem. Estamos evoluindo em não apenas prover uma infraestrutura de negócios para o cliente, mas oferecer uma solução que contribua positivamente para a eficiência do negócio e interação entre equipes. Outra inovação deste ano fiscal é que estamos migrando para canais.

 

Tele.Síntese- Hoje as vendas de vocês se dão de que forma?

Opice- Hoje, 90% é através de venda direta. E nossa intenção é, ao longo deste ano fiscal, migrar para 100% indireta.

 

Tele.Síntese- Por que esta mudança?

Opice – Para melhor atender o cliente. Quando ele vai adquirir uma solução Unify, acaba demandando soluções complementares, de integração com os sistemas dele. Com os parceiros, consigo levar ofertas mais abrangentes. O ganho para os clientes é importante. O segundo aspecto é que conseguimos ter uma atuação mais segmentada, pois podemos trabalhar com parceiros por verticais e por geografia. É bom para o meu negócio e para o cliente, que pode contar com a atuação mais próxima dele e nós podemos nos concentrar em desenvolver tecnologias.

 

Tele.Síntese – A Unify tem alguma fabricação no Brasil?

Opice- Já tivemos, mas estamos cada vez mais concentrados na produção do softwares e não faz sentido a fabricação local.

 

Tele.Síntese – Qual é a participação do Brasil e América Latina nos negócios globais da corporação?

Opice – Para Unify, a América Latina representa um market share é muito alto. A região é estratégica. Recebemos investimentos contínuos do headquarter. O Circuit, por exemplo, é uma plataforma de comunicação que vai além, pois agrega o chat com abordagem corporativa, diferente das abordagens voltadas para as pessoas. O Brasil é ainda o que mais utiliza esta forma de comunicação. Por isso, os nossos planos no Brasil têm relevância grande.

 

Tele.Síntese– Hoje vocês são fortes no mercado corporativo de grande porte?

Opice – Já trabalhamos no segmento de pequenas e médias, mas hoje não é o nosso foco. Estamos realmente direcionados do mercado médio para cima.

 

Tele.Síntese – Como vê o Brasil para a IoT? Quais são os desafios para a nova era?

Opice – De um lado , temos muitos entraves associados à infraestrutura. Para se contar com o M2M, é preciso uma cobertura de dados bastante eficiente. Por outro lado, o país tem uma série de desafios. Para o desenvolvimento econômico e social, a solução de M2M pode trazer um benefício excepcional. Exemplo: carros conectados. Nos grandes centros, os carros já saem como Waze ligado, não para descobrir o caminho, mas para saber onde tem o menor trânsito e conseguir chegar. Até mesmo o carro popular no Brasil vem com muita tecnologia, o que em outros países não existe. Outro exemplo: utilities. A medição de luz e serviços públicos. O Brasil tem potencial enorme para tornar muito propícias as soluções machine to machine. Por outro lado, a precariedade de infraestrutura é um grande desafio.

 

Tele.Síntese - A Unify pretende ingressar neste segmento?

Opice – Não atuamos com o M2M. O nosso foco é o person to person. A nossa razão de existir é melhorar e facilitar a vida e a relação entre os humanos. Mobility tem muito a ver com as formas com que as pessoas estão interagindo e é onde a gente tem condição de trabalhar.

 

Tele.Síntese – Quais são as projeções para o próximo ano?

Opice- Temos um cenário na América Latina com muitos desafios. Brasil, Argentina, Venezuela são países onde o cenário está pouco favorável para os negócios. Cenário de incerteza econômica. Mas estamos com planos muito agressivos para região em função da mudança de portfólio de maior valor agregado. Nossos objetivos são de crescimento bastante importante do mercado.



Fonte: Telesintese